Terça-feira, 13 de Março de 2007

Meditação para o "mundo civilizado" - parte I -


Na era vitoriana, as calças não podiam ser mencionadas na presença de uma

senhorita.

Hoje, não fica bem dizer certas coisas na presença da opinião pública. O
capitalismo ostenta o nome artístico de economia de mercado, o imperialismo
chama-se globalização.

As vítimas do imperialismo chamam-se países em vias de desenvolvimento, o
que é como chamar de crianças aos anões.

O oportunismo chama-se pragmatismo, a traição chama-se realismo.

Os pobres chamam-se carentes, ou carenciados, ou pessoas de escassos
recursos.

A expulsão das crianças pobres do sistema educativo é conhecida sob o nome
de deserção escolar.

O direito do patrão a despedir o operário sem indemnização nem explicação
chama-se flexibilização do mercado laboral.

A linguagem oficial reconhece os direitos das mulheres entre os direitos das
minorias, como se a metade masculina da humanidade fosse a maioria.

Ao invés de ditadura militar, diz-se processo.

As torturas chamam-se pressões ilegais, ou também pressões físicas e
psicológicas.

Quando os ladrões são de boa família, não são ladrões e sim cleptómanos.

O saqueio dos fundos públicos pelos políticos corruptos responde pelo nome
de enriquecimento ilícito.

Chamam-se acidentes os crimes cometidos pelos automóveis.

Para dizer cegos, diz-se não visuais, um negro é um homem de cor.

Onde se diz longa e penosa enfermidade deve-se ler cancro ou SIDA.

Doença repentina significa enfarte, nunca se diz morte e sim desaparecimento
físico.

Tão pouco são mortos os seres humanos aniquilados nas operações militares.

Os mortos em batalha são baixas, e as de civis que a acompanham são danos
colaterais.

Em 1995, aquando das explosões nucleares da França no Pacífico Sul, o
embaixador francês na Nova Zelândia declarou: "Não me agrada essa palavra
bomba, não são bombas. São artefactos que explodem".

Chamam-se "Conviver" alguns dos bandos que assassinam pessoas na Colômbia, à
sombra da protecção militar.

Dignidade era o nome de um dos campos de concentração da ditadura chilena e
Liberdade a maior prisão da ditadura uruguaia.

Chama-se Paz e Justiça o grupo paramilitar que, em 1997, metralhou pelas
costas quarenta e cinco camponeses, quase todos mulheres e crianças, no
momento em que rezavam numa igreja da aldeia de Acteal, em Chiapas.


O medo global


Os que trabalham têm medo de perder o trabalho.

Os que não trabalham têm medo de nunca encontrar trabalho.

Quem não tem medo da fome, tem medo da comida.

Os automobilistas têm medo de caminhar e os peões têm medo de ser
atropelados.

A democracia tem medo de recordar e a linguagem tem medo de dizer.

Os civis têm medo dos militares, os militares têm medo da falta de armas.

É o tempo do medo.

Medo da mulher à violência do homem e medo do homem à mulher sem medo.


Eduardo Galeno
23/Fev/07
sinto-me:
publicado por 379 às 20:01

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PEGADAS NA AREIA

. ser escuteiro é...

. Meditação para o "mundo c...

. Meditação para o "mundo c...

. O Bom da vida de Escuteir...

. Caminho de Emaús 2007

. ...

.arquivos

. Março 2007

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds